Relator

Gerador de relatórios

O Relator visa simplificar e agilizar a criação de relatórios customizados, reduzindo a quantidade de programas dos sistemas e os custos de mão-de-obra de programação.

Para tornar viável a distribuição "embutida" de um gerador de relatórios em sistemas de software houses para seus clientes, a meta foi obter baixos preços de licenciamento e alta performance, para isso precisavam ser reduzidos os custos de desenvolvimento e eliminada dependência de softwares de terceiros, assim, o Relator incorpora um conceito inovador de obtenção das informações no momento da emissão dos relatórios, o provedor de dados.

Diferente das soluções até então disponíveis, o Relator não recorre a ODBC ou a dicionários de dados que reconheçam o formato proprietário da Micro Focus, para obter os dados, o caminho adotado foi repassar a tarefa de leitura a programas reentrantes escritos pelo próprio desenvolvedor do sistema que se encarregam de fazer a leitura de um registro a cada chamada.

O conceito de provedor de dados se vale do fato de que praticamente todos os relatórios se baseiam na leitura de um arquivo mestre e de um ou mais arquivos de apoio, criando uma linha de detalhe montada em função de uma visão relacional.

Desta forma, um gerador de relatórios pode tratar uma visão relacional como se fosse apenas um arquivo (o mestre) e as demais colunas se repetem enquanto mantém o mesmo relacionamento.

Exemplo: Lista de profissionais.

CODIGO

NOME

PROFISSAO

CARGO          

001

DOM PEDRO I

01 IMPERADOR

20 GOVERNANTE

002

DOM PEDRO II

01 IMPERADOR

10 PRINCIPE

003

JULIO CESAR

01 IMPERADOR

30 APOSENTADO

004

PEDRO ALVARES CABRAL

02 NAVEGADOR

40 CAPITAO

005

VASCO DA GAMA

02 NAVEGADOR

44 COMANDANTE

006

CRISTOVAO COLOMBO

02 NAVEGADOR

80 ALMIRANTE

 

 

 

 

 

Neste caso, o cadastro de profissionais é o MasterFile enquanto que a tabela de profissões é o AddFile1 e a tabela de cargos o AddFile2. Assim, o gerador pode utilizar uma lógica padrão para a ordenação, seleção, impressão e quebra/totalização tratando como simulando um único arquivo montado pelo Provedor, tal  situação se repete em uma vasta gama de relatórios, mudando apenas a quantidade de arquivos secundários, vários provedor podem ser disponibilizados em função dos diversos arquivos de um sistema, um arquivo pode ser considerado mestre por um provedor e de apoio por outro. 

relator.jpg (17646 bytes)          

Desta forma, a arquitetura do dicionário se torna bem simples, já que é necessário definir somente as posições e os atributos das colunas (ou campos) que serão repassadas pelo provedor via LINKAGE SECTION.

São 3 módulos escritos em Micro Focus COBOL que devem ser cadastrados na tabela de programas do gerenciador.

CWREL1:  Editor, cria e mantém as definições dos relatórios (Arquivo FORMATOS/FORMATOS.idx),  utilizado apenas por desenvolvedores ou por usuários autorizados e treinados em definir relatórios.

CWREL2: Gerador, interpreta as definições, tratando da seleção, ordenação, formatação, impressão e totalização.

CWREL3: Carrega os dicionários. Uma vez escrito o programa provedor, as definições da LINKAGE SECTION precisam ser carregadas no dicionário (Arquivo COLUNAS/COLUNAS.idx), para que estejam disponíveis para os módulos CWREL1 e CWREL2 que assim podem "entender" o que está sendo passado como parâmetro.

Todos os campos devem ter USAGE DISPLAY. A macro RELATOR.KEX (Linguagem de programação de macros do Kedit) transforma o programa provedor em uma tabela texto Nome-do-Provedor.DIC que será solicitado pelo CWREL3.

Editando o provedor de exemplo com o kedit e executado o comando relator

Resultado obtido

Na impossibilidade de se utilizar o Kedit, será necessário definir o arquivo de carga do dicionário (formato texto) manualmente seguindo o Layout.

Posição

Nome

Tipo

01-05

Posição

9   

07-09

Tamanho

9

11-12

Decimais

9

14-14

Tipo

X

16-45

Nome

X

47-76

Máscara

X



Exemplo de dicionário
00001 005 00 9 CAMPO-1
00006 030 00 X CAMPO-2
00036 008 02 V CAMPO-3
00044 005 00 9 CAMPO-4
00049 030 00 X CAMPO-5
00079 008 00 D CAMPO-6                         AAAAMMDD
00087 005 00 9 CAMPO-7
00092 030 00 X CAMPO-8
00122 014 00 C CAMPO-9
00136 008 00 9 CAMPO-10                        99999-999

Utilizando o indicador de comentário *> do COBOL, as colunas Tipo e Máscara podem ser declaradas na própia LINKAGE SECTION, vide exemplo no provedor.

Os Itens numéricos que possam dar origem a totalizações (Acumuladores, vide CAMPO-3[+]), devem ser sinalizados com "V", gerar acumuladores para valores oriundos de arquivos de apoio (AddFiles) pode não fazer sentido já que darão origem a colunas sujeitas a repetição.

Itens de data devem ser indicados com "D" e a máscara precisa ser definida orientando o gerador nas comparações e classificações cronológicas (vide CAMPO-6). Se o ano tiver apenas dois dígitos "AA", a princípio, o "janelamento" será feito em função do valor 28 (1929 a 2028) mas este valor pode ser alterado na configuração do gerenciador.

A macro DATA.KEX pode ser usada logo após a RELATOR.KEX para identificar as datas automaticamente caso os nomes dos campos sejam intuitivos.

A marcação "C" indica que o item deve ser tratado e editado como um CPNJ(CGC) ou CIC(CPF).

Máscaras podem ser definidas para qualquer item numérico que exija edição fora do padrão convencional (de 3 em 3 casas para inteiros mais vírgula decimal) (como por exemplo o CAMPO-10 que deve ser editado como um CEP "99999-999".

Caso a posição inicial do campo não seja numérica, o importador trata os primeiros 30 caracteres como comentário para descrição do provedor.

Convém disponibilizar um arquivo texto com o mesmo nome do provedor com a extensão HLP contendo explicações sobre os campos existentes no dicionário, este arquivo será exibido ao se pressionar F1 no momento da seleção de colunas durante a definição de relatórios.